Prosperidade x Adversidade :

25/03/2011 06:37

Prosperidade x Adversidade

"Portanto, ainda que a figueira não floresça nem haja fruto na vide, o produto da oliveira minta e os campos não produzam mantimento; as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja vacas; todavia eu me alegrarei no Senhor: exultarei no Deus da minha salvação" (Habacuque 3:17,18).
 
 
Essa bela oração de Habacuque encontra-se entre os livros de Naum e Sofonias. Não sei se de propósito, ou se por permissão, Divina esse maravilhoso livro foi colocado no Cânon entre dois outros pequenos, o qual, muitas vezes, os menos preparados acham dificuldade em encontrá-lo, mas ele é de fácil acesso para aquele que maneja bem a palavra da verdade (II Timóteo 2:15).
Como uma pérola escondida dentro de uma simples concha, assim é essa oração, preciosa aos olhos daqueles que procuram as bênçãos celestiais e não as terrenas. Mas ela é deixada de lado por aqueles que buscam riquezas, bens materiais, glória e fama entre os homens.
Essa bela oração de Habacuque talvez jamais esteja entre os belos sermões elaborados nos mínimos detalhes pelos líderes de diversas seitas, que também são conhecidas, erradamente, como evangélicas.
Eu fico imaginando o profeta Habacuque nos púlpitos de hoje dizendo: A figueira não está florida; a videira - bem! - não se encontra nela nem um fruto sequer; as minhas ovelhas foram roubadas, arrebatadas, e as minhas bonitas vacas já não existem.
Alguém que defende a doutrina da prosperidade diria: esse humilde fazendeiro está com encosto, está em pecado, é um tremendo fracassado.
Infelizmente esse pensamento tem impregnado as igrejas e também aqueles que não têm conhecimento da Palavra. Hoje somos conhecidos pelo que temos, não pelo que somos. Se tenho um belo carro importado, alguém logo diz: "Veja como este irmão é abençoado." Mas se for um Volks 1969, diz: "Repreende, Senhor, a maldição da vida do teu servo."
Preste atenção, querido irmão! Não sou contra a prosperidade nem tampouco condeno quem tem posses e uma alta posição, pois não estou aqui para isso nem meu tempo permite cuidar dessas coisas. Não sou contra e a Bíblia nos fala que devemos considerar tanto a prosperidade como a adversidade. Veja: "No dia da prosperidade goza do bem, mas no dia da adversidade considera, porque também Deus fez a este em oposição àquele, para que o homem nada ache que tenha de vir depois dele" (Eclesiastes 7:14).
A Bíblia nos mostra muitos homens que eram bem sucedidos, mas também nos ensina sobre a busca da riqueza, cobiça e o amor ao dinheiro, como também nos relata a respeito dos humildes, pobres, mas porém cheios da graça de Deus.
Salomão era um dos que citei, bem-sucedido, mas veja o seu comentário sobre tudo que conseguiu juntar entre riquezas, fama e engrandecimento: "E olhei eu para todas as obras que fizeram minhas mãos, como também para o trabalho que eu, trabalhando, tinha feito, e eis que tudo era vaidade e aflição de espírito, e que proveito nenhum havia debaixo do sol" (Eclesiastes 2:2,11).
O Profeta Habacuque nos ensina, nessa oração, que ainda que falte tudo em nossa vida, nós devemos alegrar-nos em Deus. Como? Isso mesmo que você leu: alegrar-nos. Em meio à adversidade normalmente perdemos o humor e a força, mas essa oração nos diz que nos alegremos em saber que a alegria do Senhor é a nossa força.
Está ruim hoje, está nebuloso, os ventos são contrários, existe tormenta, desemprego, mas sabemos que, amanhã, o Senhor nos levantará, e diremos como disse Jó: "Eu sei que o meu redentor vive..." (Jó 19.25).
Não devemos servir a Deus pelas bênçãos, pelos cargos, pela glória humana. Aliás, você não precisa fazer campanha para ser empresário, dono de uma grande empresa ou um grande personagem. Basta aceitá-Lo, obedece-Lhe, ser fiel. Deixe eu lhe dizer uma coisa interessante: Você não precisa correr atrás das bênçãos, pois Deuteronômio 28.2 diz que as bênçãos correm atrás de você. Elas virão sobre você e o alcançarão quando você ouvir a voz do Senhor seu Deus. Leia e medite em todo esse capítulo. Riquezas, bens, frota de carro importado, jamais podem ser referência de um verdadeiro cristão abençoado.
Desde que me entendo por gente me vejo cercado de ímpios, mas que são "abençoados", pois são donos de grandes empresas, são donos de carros importados, etc. O verdadeiro servo de Deus, não busca as coisas vãs, perecíveis desta vida. Digo: Ele não tem o coração nessas coisas; os seus olhos estão sobre as riquezas celestiais, onde a traça e a ferrugem não consomem.
Alegrar-se com o curral cheio de ovelhas, vacas, os celeiros cheios de azeite e um belo campo frutificado é fácil. Difícil é estar alegre ainda que com a falta de todas essas coisas. Mas veja o que Habacuque diz: "Todavia eu me alegrarei no Senhor; exultarei no Deus da minha salvação" (Hb 3:18).
Os defensores das riquezas, dos bens materiais, usam versículos isolados, sem se dar conta do contexto. Veja este exemplo: Certa ocasião, ouvi um pastor pregar o seguinte: "Declare meu irmão, determine, pois você pode. Diga: Eu posso, eu sou prospero, eu sou rico, eu sou abençoado. Não aceite esta miséria de vida que você leva. Não se contente com esta situação. Você pode, pois Paulo diz que pode." E citou Filipenses 4:13, texto que diz: "posso todas as coisas naquele que me fortalece." Mas veja o que é um texto sem contexto. Realmente concordei: posso todas as coisas nAquele que me fortalece, mas esse versículo está totalmente ligado aos dois anteriores (11 e 12). Mas o mais falado é o versículo 13, pregado com grande eloqüência . Vejamos os outros versículos anteriores, nos quais Paulo se referiu poder todas as coisas:
"11- Não digo isto como por necessidade, porque já aprendi a contentar-me com o que tenho.
12-Sei estar abatido, e sei também ter abundância: em toda a maneira e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome, tanto a ter abundância como a padecer necessidades."
Sendo assim, Paulo conclui:
"13- Posso todas as coisas naquele que me fortalece" (Filipenses 4:11-13).
Nos versículos 11 e 12 aprendo que devo me contentar com o que tenho. Contentar é diferente de acomodar. Devemos nos contentar, não nos acomodar. Há uma grande diferença. Também aprendo que devemos estar instruídos sobre as adversidades. O que falta nos dias de hoje é a instrução sobre esses problemas. Paulo diz que está instruído até a passar fome, coisa abominável aos defensores da prosperidade.
Muita gente tem ficado decepcionada, pois faz campanha, doa dinheiro, faz barganha, chega até a dizer: "Deus não se esqueça de mim, pois sou dizimista fiel. Eu exijo benção pois a sua Palavra a promete." Nada acontece a essas pessoas que agem dessa forma. É como se Deus fosse colocado contra a parede, tendo de abençoá-las só porque elas estão exigindo. Quem é o barro para reclamar, para se impor ao oleiro?
Lembre-se: Deus sempre nos abençoará. Ele jamais dará, aos Seus filhos, algo que venha a ser a causa de levá-los para distante da Sua presença.
Contente-se com a graça de Deus: o Espírito Santo dentro de você, guiando-o a caminhos perfeitos e a decisões sábias. Você, meu querido irmão, tem a maior riqueza que todo homem que não conhece a Deus precisaria ter: a intimidade, a graça e a presença constante dEle em sua vida.
Estar em contato, constantemente, com a palavra de Deus nos basta. Veja o que diz Provérbios 22:1: "Mais digno de ser escolhido é o bom nome do que as muitas riquezas; e a graça é o melhor do que a riqueza e o ouro."
Junte, nos Céus, o seu tesouro. Não se preocupe, pois lá teremos a eternidade para desfrutá-lo junto ao Senhor. Não se preocupe nesta nossa peregrinação aqui na Terra, pois, como falei, você não precisa correr atrás das bênçãos; elas vão correr atrás de você.
 
Amém!
Por Josiel Dias

—————

Voltar



http://sitevideira.webnode.com.br/